NOSSA SENHORA, CORREDENTORA? (I)