AÇÃO DOS AGENTES DA PASTORAL DA CRIANÇA É EXEMPLO DA “GRATUIDADE HUMANA”